Cultura e Lazer

Parque Ecoturístico “São Luiz de Tolosa” de Rio Negro (antigo Seminário Seráfico “São Luiz de Tolosa”)

O responsável pela instalação do Seminário para Rio Negro foi o Cônego José Ernser e a pedra fundamental foi lançada em 1918, sendo a construção concluída e inaugurada em 03 de fevereiro de 1923.

A construção em estilo alemão, constituída de uma frente principal entre duas alas, com três torres. Uma ala era utilizada para o Teatro e a outra para a Capela. O prédio parece um castelo medieval da Europa e está situado no alto de uma colina, ladeado de vegetação abundante, a cerca de três quilômetros do centro urbano de Rio Negro. O cenário pode ser visto de alguns pontos da cidade, figura digna de cartões postais.

As festas tradicionais promovidas pelos Seminaristas eram de beleza indescritível, entre elas se destacavam a Festa de Cristo Rei, onde faziam procissão até a Gruta e todo o caminho era realizado com o canto gregoriano. Outra festa anual, era de aniversário, realizada no dia 19 de agosto, dia de São Luiz de Tolosa.

Durante o funcionamento do Seminário, mais construções foram se agregando a ele, como a oficina que fica atrás do bloco central e onde funcionava a lavanderia, padaria e oficina. Mais afastado, quase na base da colina, situava-se a Casa Branca onde se hospedavam os pais de internos que visitavam os filhos. Realizaram também uma barragem no Rio Passa Três, formando assim tanques para elevar a água até o topo da colina. Na margem do Rio Passam Três, construíram também uma espécie de banheiras para lazer dos internos, onde nos dias quentes estes tinham permissão de se refrescarem. O pomar e a horta eram muitos bem cuidados pelos seminaristas e possuíam uma diversidade impressionante de produtos alimentícios, além da criação de pequenos animais, principalmente frangos. A área total de construção do prédio é de 8.000 m², a oficina 1.165,60 m² de área construída e a Casa Branca de 196,85 m².

Entre os que ali estudavam, tem-se o Arcebispo Dom Evaristo Arns e o polêmico padre Leonardo Boff, entre outros.

Em 1970, o Seminário, por diversos motivos, entre eles, poucos recursos financeiros encerrou as atividades, sendo seus alunos absorvidos pelo ouro Seminário da Província Franciscana.

No dia vinte e sete do mês de maio de 1976, a escritura do Seminário São Luiz de Tolosa foi permutado com o Instituto de Ensino Superior da região Bragantina (Instituto Santo Antônio) em São Paulo.

Em 28 de abril de 1997, pelo decreto n° 022/97 e pela administração do prefeito Ary Siqueira é criado o Parque Ecoturístico Municipal “São Luiz de Tolosa” e atualmente funciona também a Prefeitura Municipal de Rio Negro.

Capela Cônego José Ernser

Como toda a edificação do Seminário Seráfico, foi revestida pela técnica do estuque. Seu interior é constituído de pintura mural, sendo efetuada no período de 1935 a 1937 por Pedro Cechet. A sua restauração foi feita em parceria com a Companhia Souza Cruz, Secretaria de Estado da Cultura, Universidade Federal do Paraná e FUNDIR no ano de 2000, e sua reinauguração ocorreu em 15 de novembro de 2000.

Cine Teatro Antônio Cândido do Amaral (antigo Teatro). Projeto “Velho Cinema Novo” firmado com o Governo do Estado do Paraná/Secretaria Estadual da Cultura e a Prefeitura Municipal de Rio Negro, restaura no prédio do antigo Seminário Seráfico (atual Prefeitura Municipal) o também antigo Anfiteatro.

O projeto é um misto de história, nostalgia, realidade e futuro, cuja idéia central é adaptar um prédio antigo, no seu formato original, para atender a demanda em termos de salas para sessões cinematográficas e demais espetáculos teatrais de recreação cultural, oferecendo ao público o que há de novo, em termos de conforto e modernidade, inclusive a tradicional “bombonier” e serviço de café expresso. A sala disponibilizará 205 lugares (187 no térreo e 18 no balcão) dotado de climatização, hall de entrada, café, sala de estar, palco com camarim e sala de projeção.

O Cineteatro não atende apenas uma aspiração do povo rionegrense, mas também de todos os municípios vizinhos.

Cidade de Belém e Passagens de Cristo em palha de milho

No anexo ao prédio (antiga lavanderia, oficina e padaria), está exposto para visitação às obras do artista da nacionalidade alemã Meinrad Horn, confeccionada em palha de milho. Em uma área de 50m2, com mais de 1700 personagens, sua principal finalidade é transportar os visitantes para o passado no tempo do nascimento de Jesus e para a cidade de Belém.

As Passagens de Cristo são oratórias em número de 40, que contam as principais passagens de Cristo do nascimento à ressurreição, também confeccionadas em palha de milho.

Loja de Artesanato Também no anexo ao prédio funciona a Loja pertencente à Associação dos Artesãos locais com vendas de produtos e artesanato diversos.

Trilhas O parque possui uma rede de trilhas com aproximadamente 4.830metros. Uma parte que era usada pelos antigos franciscanos foi recuperada e é utilizada para passeios, caminhadas e visitação turística. O restante das trilhas estão em estado natural são utilizados para o turismo ecológico e para a educação ambiental, estas, com atividades monitoradas pelo centro ambiental.

Próximo às trilhas, existe uma imagem de Nossa Senhora de Lourdes, perto de um fio de água que foi transformado em uma gruta.

Os franciscanos possuíam também seu próprio cemitério e os que ali faleciam eram enterrados no Campo Santo. Atualmente as ossadas encontram-se no Cemitério Municipal.

Centro Ambiental “Casa Branca”

Antiga casa usada pelos franciscanos como casa de hóspedes e que depois de recuperada passou a abrigar o Centro Ambiental, voltado a desenvolver estudos e pesquisas da flora e fauna locais, oferecer informações e atividades na área ambiental para integração da comunidade com os recursos naturais do parque. Através do Centro Ambiental “Casa Branca”, realizou-se o levantamento florístico e o zoneamento florestal e em andamento o plano de manejo do parque, bem como atividades ambientais, com as escolas e capacitação do grupo de ecovigilantes para trilhas monitoradas.

Eventos